terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Porque não Rua dos Comatentes do Ultramar?


Nome de Rua.

Uma vez mais recorro as fotos que possui em meu poder, e aproveito esta já utilizada noutra altura para trazer ao conhecimento dos membros da junta de freguesia do Telhado, que esta rua em documentos antigos está conotada com o nome de rua do fundo, depois do 25 de Abril esteve colocado numa parede logo a entrada da Aldeia uma placa anunciando rua D. Estefânia Castelo Branco, e hoje têm o nome rua 11 de Abril!...

Não sei nem tão pouco faço ideia de onde foi herdado esse nome...Mas calculo...

Será que este nome rua 11 de Abril foi discutido em assembleia de Freguesia?
Uma vez que já mudou de nome tantas vezes em poucos anos, porque não por em discussão de assembleia de Freguesia, e mudar o nome para Rua Combatentes do Ultramar?

Para mim e naturalmente, e para mais Telhadenses como eu obviamente que teria um significado que tocava no fundo do sentimentos de muitos filhos da nossa terra, e felizmente ainda vivos:
É a rua principal que vai desde a entrada da aldeia até ao largo da praça..
Era uma justa homenagem a todos os militares que combateram nas guerras de África, Angola, Guiné, Moçambique, Timor, Índia ,Macau, que provavelmente viam o seu esforço reconhecido pelo poder local...
Para mim seria uma extraordinária proposta, em data a marcar.Pensem no assunto!...

domingo, 27 de dezembro de 2009

Criminalidade.

Um Ano de Insegurança.

O ano de 2009 foi mais inseguro do que o ano de 2008?Foi quase todos os indicadores que medem a insegurança disparou.A segurança é um conceito complexo suportado em vários pressupostos.Alguns objectivos, outro ideal  subjectiva ,suportado nas representações que construírem na crença mais ou menos difusa de quem perdeu ameaças sobre o nosso bem-estar.Todos estes factores se agravam no decurso de 2009.Primeiro disparou a crise e logo o desemprego subiu essencialmente.A segurança em face da estabilidade laboral dominam.Em segundo lugar os valores de confiança no sistema de saúde foram comportados com a possível pandemia por causa do vírus do H 1 N1.O medo ganhou maior sustentação, pois o regresso dos velhos fantasmas nascidos da célebre gripe Espanhola?Começou a ser ameaçada, e imaginada.
Portanto, os medias de insegurança, no respeito à saúde, aumentaram.Certo que baixou a mortalidade decorrente da sinistralidade rodoviária, embora sendo insuficiente para garantir maior confiança.Porém,foi sobre algumas condutas criminais que se tornaram dominantes as criticas,as noticias,a exaltação emocionada, diria mesmo transtornada, que centrou a atenção publica e paralisou a discussão politica.Referi-mo-nos   aquilo que são os dois eixos fundamentais de acontecimentos sobre a quais decorreu o ano de 2009.A crescente visibilidade da violência domestica,construída sobre assassinatos de mulheres,tem vindo a merecer uma notoriedade que mobiliza cada vez maior número de interessados para militar nesta causa pela afirmação dos direitos de cidadania que reage quando substitui o amor pela violência, a morte pela vida.E daqueles crimes que têm levado tempo a impor-se, enquanto censura social forte, graças a um histórico secular de diminuição da condição feminina e que forçou noutras vertentes, como é o caso da politica ,à exigência do critério de quotas.Esta vaga de visibilidade, porém, decisiva, e importante do ponto de vista preventivo, para que se alicerce o leque de combativo pela igualdade de direitos e pelo respeito da dignidade das mulheres.

Criminologista

Moita Flores


Revista Correio da Manhã 27/12 /2009

sábado, 26 de dezembro de 2009

Natal Mais Pobre.

Fundão:

290- Na Loja Social.

O número de Famílias apoiadas regularmente pela Loja Social do Fundão cresceu de 50 para 290 em oito meses,a maioria das quais afectada pelo desemprego,disse o vice Presidente da câmara local,Paulo Fernandes.

Correio da Manha 26/12 / de 2009.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Uma Casa Portuguesa.


Um Casal de Sucesso.

O casal que aqui morou, já faleceu há longos anos, e aqui fizeram a passagem de muitos Natais pessoas ligadas a pastorícia, e ao campo,e como exclusivo Deus só os bafejou com o nascimento de uma única filha. Esta depois casou, e por sorte foi morar para junto, aliaá próximo dos meus Pais, no centro da aldeia,eu na altura um jovem com os meus 17 anos, como bons vizinhos assisti ao crescimento de um dos seus filhos o Fernando um empresário de sucesso na área da fabricação de tijolos como já descrevi neste blog.
Mas o meu raciocínio vêm a propósito da época Natalícia,sempre que me desloco ao Telhado e que encontre este casal conhecido pelo tio Luís dos Santos Isidro e a Senhora Anita esposa recebo deles, sempre as maiores simpatias e uma amizade,e com um sorriso do tamanho do mundo...

Como habitamos porta com porta ficou sempre no fundo dos nossos corações o ressentimento da amizade, que perdurará ate aos últimos dias das nossas vidas!

Resta-me simplesmente a todos aqueles que têm a oportunidade de visitar este blog, um natal muito feliz, e um ano novo cheio das maiores felicidades:

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

As Crianças Têm Direitos


Esquadra de Policia -PIQUETE

Apenas 20 anos

Passaram esta semana, 20 anos sobre a Declaração dos Direitos da Criança. Parece tudo tão breve e, afinal, é mesmo breve o tempo que confirmou a necessidade de afirmar direitos de cidadania para além da secular declaração dos Direitos Universais do Homem.A condição e a idade não participaram no marco fundador dos tempos de anseio da igualdade democrática. E tem sido um caminho de revelação da nossa natureza mais egoísta, mais mesquinha, mais sórdida, que é denunciada por números e notícias. São milhões de crianças que todos os anos morrem de fome, que ainda vivem escravizados pelo trabalho, que participam nas guerras dispersas pelo mundo,que nunca foram à escola ou são vítimas de violência doméstica.Vítimas às mãos dos pais, vitimas às mãos das mães. A evocação destes 20 anos do reconhecimento de cidadania é revelador da lentidão com que descobrimos a importância dos nossos  filhos na afirmação da vida e da dignidade. Ainda por cima quando esta afirmação de princípios resulta de uma exigência e não de uma natural ordem de percepção da cidadania. De facto o olhar atento sobre as crianças começa no instante em que os países do hemisférico norte,os países ricos, descobrem que estão a envelhecer,que são cada vez menores os bandos de crianças.Quando percebem que as reservas potenciais do trabalho vão escassear, que o modelo económico que se desenvolvem, produzindo o trabalho precário algemado a crise que não deixam prever o futuro, secundarizou a gravidez,apertou-a nas barrigas de ferro do economicismo.E as crianças começaram a ser um bem cada vez mais escasso. Mais desejado e cada vez mais escasso. Por isso, evocar estes vinte anos de reconhecimento de direito e,forçosamente, a necessidade de interpelar os nossos percursos de vida.A necessidade de percebermos como foi possível chegarmos à necessidade de entregar direitos à população do amor. De facto, é urgente Humanizar a Humanidade. Chega de tanto sofrimento.

Francisco Moita Flores
Criminologista

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Musica e Devertimento


É Natal Musica no Palco


Natal Todos os Dias.

Natal deveria ser todos os dias do ano, e como se diz a situação nacional do país cada vez com mais pessoas no desemprego,a situação nacional a piorar cada dia que passa, nos somos altamente responsáveis pelo seguimento do futuro de todas estas crianças,e eles apenas têm o reflexo de se divertirem da maneira mais simples, da sua inocência, e nos adultos continuaremos a lutar por um futuro melhor,mas segundo a minha visão não se vislumbra grande esperança, e como diz o ditado em terra de segos quem têm olho é Rei!...


Refiro-me aos xicos espertos deste País...

Olhem pelo futuro de quem quer ter Natal todos os dias, que são estas inocentes crianças...

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Vista da Encosta da Serra de Estrela.


Covilhã


Parte da Cova da Beira


Parque Industrial Tortosendo


Vila do Canhoso


Cidade da Covilhã


Cova da Beira.

Ao meio da manhã, e contra a natureza , aproveitei para disparar a máquina fotográfica, mesmo que contra a luz do sol da manhã, e fiz estas imagens da cidade da Covilhã, e da cova da beira.
Para mim digam o que disserem é sempre uma das províncias mais bonitas do nosso Portugal, claro esta é sinceramente, a minha opinião, porque é o cantinho que continuamos a percorrer com um certo carinho...
Província de pessoas simples e hospitaleiras, incluindo a boa gastronomia alimentar: As fotos não ficaram grande especialidade, porque a uma distância destas sem qualquer objectiva...mas é aquilo que de momento mostro aos visitantes do meu blogs...Como digo, todas as fotos deste blogs  são exclusivamente da minha autoria, assim como todo o conteúdo escrito, aqui trabalhamos com a prata da casa como costumo dizer, e sempre que me seja possível não deixarei de estar presente para vos mostrar aquilo que continuamos a ter de beleza no nosso Portugal...Nestas fotos temos Aldeias, Cidades, parques industriais, bonita cidade da Covilhã, e parte da vista da cova da Beira.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Paisagem do Rio Tejo.


Ponte Sobre o Tejo


Rio Tejo .

Este rio é o Tejo, e aqui neste local entre a vila do Gavião e Belver, divide a Província da Beira Baixa e o Alto Alentejo, e ligeiramente mais um pouco para a direita temos a Província do Ribatejo. Sempre que me desloco à Beira Baixa faço desta estrada, meu itinerário, além da estrada estreita e com  algumas curvas entre o Gavião e Belver aproveito de seguida a A23 logo a seguir a Belver, Vila Histórica e com Castelo, e são menos alguns Kms que o contador do carro marca, mas faço-o pelo facto de conhecer algo que nos dá prazer...Como a foto mostra estas magníficas paisagens no interior de Portugal...Faço-o com vagar...Faço-o com gosto...Estas imagens ficariam extraordinárias pintadas num quadro! Do lado esquerdo do rio, mesmo na Vila de Belver achei por bem fotografar esta área por me te despertado a atenção de uma zona tão bonita...Também mesmo junto ao rio temos bem visível a linha do caminho de ferro que serve toda a beira baixa, e foi dos primeiros transportes que serviram toda esta Província desde há longos anos...Para passarmos de um lado para o outro temos uma magnífica ponte embora estreita mas com alguns anos de construção. Carregando na foto mostra a imagem em ponto grande.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Natal Chique.

Percorro o dia ,que esmorece
Nas ruas cheias de humor;
Minha alma vã desaparece
Na muita pressa e pouco amor.
Hoje é Natal.Comprei um anjo,
Mas houve um etéreo desarranjo
E o efeito em casa saiu mal.
Valeu-me um príncipe esfarrapado
A quem dão coroas no meio disto,
Um moço doente,desanimado...
Só esse pobre me pareceu Cristo.
         Vitorino Nemésio

sábado, 5 de dezembro de 2009

Talha de Três Vintães.


Pote.


Talhas Fabricadas no Telhado.

Uma vez mais aqui estou a informar o que foi a indústria do barro no Telhado, e a exemplo disso tive a oportunidade de fazer estas fotos pelo qual eu me sinto apaixonado, e muitas foram feitas na Freguesia Telhado, pelos Oleiros de então! São potes com o nome de talhas de três vintães...O oleiro por dia fabricava dez potes iguais a estes, e deste tamanho,com um ajudante a preparar o barro, o que não era pêra doce... Mas na arte de olaria ainda era o dia mais tranquilo, porque havia outras peças que obrigavam o oleiro a um esforço muito mais exigente. Em tempos era assim muitos destes objectos encostados a sombra das habitações para irem secando lentamente, afim de serem transportados para o forno para serem cozidos a temperatura de mil e tal graus. De momento servem para embelezar qualquer lugar...Tive a oportunidade fazer estas fotos frente a vivenda do José Luís mesmo a entrada da dita freguesia do Telhado.Que saudades no tempo que se fabricavam aos milhares durante o ano! Certeza tenho estes foram fabricados no Telhado.
Quem seria o Oleiro?
Muitos iguais a estes me passaram pelas mãos.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                        

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Tijolos em Armazém.


Tijolos


Rimas de Tijolos


Cerâmica do Prado Infante.

De duas cerâmicas de fabricação de tijolos, na minha Aldeia infelizmente só resta uma, e esta é mais uma fonte de rendimento para quem fez alguns investimento na área da indústria, (do BARRO) mas devido à crise profunda que existe neste momento, muito material fabricado está em armazém porque até na construção civil, se nota a crise, e por aqui temos bem o exemplo disso, porque muito material fabricado à espera de escoamento.
E como as vendas são fracas, é necessário de quando em quando esta fábrica também entra com paragens temporárias, porque a crise chegou a todos os sectores inclusivamente à construção civil...
As fotos dão bem o exemplo do material em armazém. Esperamos por dias melhores, porque na crise em que o País caiu, é muito difícíl sair dela e veremos com o andar dos tempos...
A crise é generalizada em todos os sectores da indústria, e do comércio, e os exemplos já vêm de há longos anos a esta parte, e não podemos culpar só a crise internacional... Lamentavelmente é aquilo que temos!Crise mais crise...Meu pobre País vais rebentar pelas costuras! Parabéns ao Fernando dos Santos  e ao seu sócio pela maneira como têm equilibrado a fabricação da indústria de Tijolos! Continuam porque é preciso saber, e é com o saber que venceremos os desafios.