segunda-feira, 15 de março de 2010

Procissão de Regresso a Capela

A procissão depois de percorrer o recinto que é habitual em todo o redor da capela,e no seu regresso de novo ao local de partida,já muitos próximo do alpendre,mesmo a entrada do monumento...Monumento este com algumas centenas de anos,pela informação dada de geração em geração, e ao certo ninguém sabe dar uma informação correta, porque escritos a respeito da nossa Senhora da rosa em concreto ainda ninguém encontrou em lugar algum...É pena que nada aja falando da nossa senhora da Carantonha,e mais falando dos seus longos anos, anos ligados a estas festas religiosas...Lamentavelmente pouca informação existe.E neste magnifico local banhado pelos ventos da Serra da Estrela a qual a vistamos lá ao longe...

4 comentários:

Francisco Vieira disse...

O amigo Joaquim já se deve ter dado conta no meu blog que estou fora há muitos anos.

Tenho aqui bons amigos da sua zona. Ja passei por ai os festejos da santa Eufémia varias vezes. Tenho grandes amigos nas terras que já lhe falei num post anterior. De vila Nova conheço e sou amigo da família Seabras. Em Girabolhos sou grande amigo da família Abrantes. Em Vila Verde , da família Formiga e por ai fora...

Sabe porque sempre me revejo nas pessoas do interior? Porque são mais humildes, como eu sou e mais autênticos, no tratamento que dão aos outros, como na fé que dedicam aos Santos da sua devoção e noutras coisas da vida. São pessoas como você e eu que preservam as tradições e a cultura do nosso Portugal. Os dos grandes centros urbanos querem na sua maioria modernices e estrangeirices e mais nada.

Gosto muito da sua zona e no fim do mês se Deus quiser estarei por esses lados a dar mais uma visita e para passar a Pascoa com os meus.

Lamento não poder ir sempre no verão, na altura dos festejos, porque a vida por enquanto tem outras prioridades.

Um grande abraço amigo Joaquim

Joaquim Angelo disse...

Amigo Vieira desde do principio que notei que o meu amigo estava colocado fora de sua terra,mas isso não impede que continuamos a amar o local dos nossos antepassados,porque foi nesses lugares simples e singelo que herdamos o bom ser das boas famílias,e o bom viver.Ainda foi este fim de semana que lá estive na terra como se costuma dizer,e quando ainda trabalhava aproveitava sempre a semana santa das férias da escola dos filhos e todos os anos lá estava caído nas festas de domingo de pascoa no tempo em que ainda o padre dava as boas festa em todas as casas da aldeia,e estes costumes um pouco por todo lado se vão perdendo...Pena porque eram os costumes antigos...Na minha aldeia também há uma família de nome formiga,um rapaz com mais um ano que eu,e de momento mora na linda cidade do Fundão.Tenho a dizer-lhe que também fui emigrado durante alguns anos em França,sei muito bem o que custa estar longe da terra que amamos...Mas paciência a vida é isto mesmo...Um abraço e até breve, e continue dando sempre noticias desse grande País que é a América.

M. Lourdes disse...

Joaquim
É uma pena não conhecermos a história dos nossos antepassados, gente simples do interior do país, nem como as nossas aldeia se formaram. Também sou uma apaixonada por estes assuntos e, através da genealogia, consultando os registos paroquiais que estão on line, já consegui saber o ano em que "na minha capela", foi realizado o primeiro baptizado, o que me dá uma data aproximadada sua construção.
No entanto, creio que qualquer edifício religioso deve estar mencionado no *atriarcado ou qualquer instância superior da Igreja.
Beijinhos
Lourdes

Joaquim Angelo disse...

D lourdes.Pois nas igrejas penso que existirá um livro de registos de Batizados, Casamentos, e funerais,mas eu nunca me dei ao trabalho de pedir a alguém para ter de consultar esse livro afim de me certificar se de facto há alguma coisa...Mas penso que não porque em pequeno acompanhei algumas vezes com o padre da freguesia e nunca ouvi falar em assuntos desse género.Bjs.